Lua de Sangue

A verdadeira história: O Massacre da Serra Elétrica

Se você é fã de filmes de terror, certamente já assistiu O Massacre da Serra Elétrica, sucesso há mais de 40 anos. O filme foi baseado em alguns fatos reais, outros nem tanto. Conheça a verdadeira história de Ed Gein, o homem que inspirou a criação de Leatherface.

Augusta Lehrke e George P. Gein, moradores de Wisconsin e casados desde 07 de julho de 1900 tiveram dois filhos, Edward e Henry G. Gein, o mais velho. George era um pai e marido violento e alcoólatra, fato que o  fez ter sido rejeitado pelos filhos. Augusta era quem mantinha o sustento da família trabalhando em uma mercearia e apesar de desprezar o marido, não se divorciara devido aos costumes religiosos da família.

Com seu trabalho, a mãe dos meninos comprou uma fazenda em Plainfield, onde foi o lar da família Gein. A mulher, fanática por religião ensinava seus filhos acerca do mal que a bebida pode causar e a imoralidade do mundo, assim como o pecado com envolvimento com prostitutas, lia a Bíblia com seus filhos, especialmente versículos do Antigo Testamento, onde havia morte para quem praticasse tais atos. Para Augusta o sexo servia apenas para reprodução.

Ed Gein passava a maior parte do tempo trabalhando no rancho e saía de casa apenas para ir à escola e não tinha amigos. Fora de casa, sofria intimidações talvez pelo seu comportamento afeminado ou pelo fato de ter ataques de riso sem motivo aparente. Embora tenha sido privado do convívio social, o que culminou que o rapaz tivesse problemas de relacionamento, se saiu bem na área de economia. Seus professores e colegas lembravam-se dele como um sujeito estranho, que coletava animais mortos da beira da estrada, em várias ocasiões.

O pai de Ed morreu em 1940. O irmão mais velho, Henry, começou a contestar a visão de Augusta e os dois discutiam fervorosamente. Ed avisou ao irmão que ele seria condenado ao inferno se não pedisse perdão e orasse. Henry foi morto em um incêndio em março de 1944, com sinais de traumas e contusões na cabeça. Anos mais tarde, Ed confessou a morte do irmão e afirmava que o fez para salvar Henry do inferno, pois estava levando um caminho distorcido dos ensinamentos da mãe.

Ed Gein e a mãe viveram sozinhos, até a morte de Augusta em 29 de dezembro de 1945, devido a uma sequência de acidentes vasculares cerebrais. Ed ficou morando na fazenda e tornou-se cada vez mais sombrio. Após a morte de sua mãe, acredita-se que ele começou a esconder cadáveres em sua casa.

A casa da família Gein

Com o desaparecimento de Bernice Worden em 1957, a polícia começava a suspeitar de Ed Gein. Resolveram então, fazer uma busca na propriedade, onde encontraram um galpão que escondia o corpo de Worden, decapitado, pendurado por cordas, para baixo, como um animal, o tórax fora esvaziado e a divisão torácica virada ao avesso, como se fosse uma espécie de roupa.

Abaixo as imagens:

Foram encontrados crânios humanos, um abajur  e assentos feitos de pele humana, tampões de crânios humanos utilizados como prato de sopa, cintos e meias feitos a partir de carne humana, puxadores de janela revestidos por lábios e um colete feito a partir de um corpo feminino. Alguns fotógrafos alegavam também ter encontrado um coração humano em um saco de papel, juntamente com a pele do rosto de Mary Hogan, que era proprietária de uma taberna ali perto, desaparecida em 1954.

Crianças que foram até a casa relataram a existência desses objetos que Ed dizia ser “relíquias dos Mares do Sul”, enviadas por um primo distante que havia servido na II Guerra. Após a descoberta, os investigadores afirmaram que as peles dos rostos foram cuidadosamente retiradas e usadas como máscaras. Em um interrogatório, Gein admitiu escavar túmulos de mulheres de meia idade enterradas recentemente e que se pareciam com sua mãe, assim como admitiu ter matado Hogan. Embora Ed nunca tenha afirmado ser transexual, sabe-se que ele vestia-se como mulher para que pudesse se parecer com sua mãe.

Mais tarde, em 1955, foram descobertos ossos de dez esqueletos de mulheres e um masculino, que pertencia a um carteiro que havia desaparecido um ano antes. Ed foi preso, constatado mentalmente incapaz e internado no Central State Hospital e posteriormente transferido para Mendota State Hospital em Madison, Wisconsin. Quando foi declarado são o suficiente para ser julgado, foi considerado inocente devido à sua insanidade, após uma semana de julgamento. Passou o resto de seus dias em um hospital psiquiátrico.

Ed Gein veio a falecer em 26 de julho de 1984, aos 77 anos, vítima de parada cardíaca e respiratória, devido a um câncer. Sua lápide foi vandalizada e algumas pessoas guardavam seus pedaços como recordação. Em 2000, foi roubada e recuperada em junho de 2001, e se encontra até hoje em um museu em Wautoma, Wisconsin.

A lenda urbana que se propagou na região foi a de que um homem com as descrições de Ed foi visto andando pelas ruas até sua antiga casa, tendo sido visto várias vezes rondando por ali. Alguns afirmam terem sido abordados por um homem, batendo na janela do carro.