Os mais macabros experimentos feitos em humanos #4

Todo avanço exige algum tipo de sacrifício. Mas até onde é válido sacrificar algo para obtermos um novo conhecimento? Essa é uma das questões mais polêmicas que existem no mundo, ainda mais quando os experimentos feitos envolvem seres humanos. Será que o sofrimento passado por essas pessoas valeu o conhecimento adquirido?




Projeto 4.1

mushacay640

O Projeto 4.1 foi um estudo médico realizado pelos Estados Unidos nos moradores das Ilhas Marshall. Eles foram expostos a contaminação radioativa em um teste nuclear em março de 1954. Durante a primeira década após o teste, os efeitos eram ambíguos e estatisticamente difícil correlacionar a exposição à radiação: abortos e crianças que nasciam mortas dobraram entre as mulheres expostas nos primeiros cinco anos após o acidente, mas depois voltou ao normal. Algumas dificuldades de desenvolvimento e crescimento prejudicaram o nascimento e desenvolvimento de crianças, mas em nenhum padrão bem definido. Nas décadas que se seguiram, porém, os efeitos eram inegáveis. As crianças começaram a sofrer desproporcionalmente de câncer de tireóide (devido à exposição a radioiodos).

Como um Departamento de Comitê de Energia escrevendo sobre os experimentos em radiação humana citou: “Parece ter sido quase que imediatamente aparente que a pesquisa sobre os efeitos da radiação poderia ser feita em conjunto com o tratamento médico das populações expostas.” O relatório também concluiu que “o duplo objetivo do que é agora um programa médico levou a uma visão dos marshaleses que estavam sendo usados ​​como ‘cobaias’ em um ‘experimento de radiação. ”




Gêmeos examinados em Auschwitz

20080713_1383757010_brama_birkenau

Médicos prisioneiros falam sobre o destino de dois gêmeos húngaros que chegaram em Auschwitz em 1943, e que o Dr. Mengele selecionou no campo de concentração. Três pares de gêmeos foram encontrados. Eles foram levados ao bloco experimental. Dr. Mengele ordenou que dois gêmeos húngaros fossem levados para a sala de exames. Os dois gêmeos húngaros jovens acima de 18 anos foram descritos como “extremamente atléticos e bonitos”.

Eles tiveram os pêlos do corpo arrancados e foram obrigados a tomar banho e voltar nus para sala de exames. O exame começou na cabeça. Todas as partes de suas cabeças foram examinadas. O exame da cabeça levou quase um dia. Eram completamente radiografados. A próxima parte do exame consistia em enfiar tubos a força através de seus narizes até seus pulmões. Eles foram ventilados, o que os fizeram tossir tão severamente que tiveram que ser contidos. O escarro dos pulmões foi coletado para exame.

Os gêmeos foram fotografados por vários dias. Cada um deles foi obrigado a ficar, dobrar, e ajoelhar-se em muitas posições para realizar as fotografias.

Após as fotografias eles foram despertados muito cedo pela manhã. Foram levados para uma sala com mesas e um tanque de água quente. A água no tanque estava muito quente. Eles foram obrigados a sentar-se na água, até que não aguentassem o calor. Eles foram, então, amarrados a uma mesa onde os cabelos foram arrancados tentando salvar a raiz do cabelo. Eles foram colocados de volta para os tanques quentes. Depois de bastante cabelo coletado, os gêmeos foram então novamente extensivamente fotografados sem o cabelo.

Os gêmeos então receberam vários enemas de dois litros cada, que lhes causaram muito desconforto e dor. Os meninos em dias diferentes foram amarrados sobre uma mesa de bancada e receberam uma extensa análise gastrointestinal. Este procedimento foi realizado sem anestesia. Os jovens estavam chorando tão alto que o doutor Mengele ordenou que fossem amordaçados. No dia seguinte, eles receberam um exame urológico doloroso e humilhante. Neste exame, amostras de tecido foram obtidas a partir dos rins, próstata e testículos. Várias amostras de sêmen foram extraídas por dois dias.

Após três semanas de exames médicos tortuosos foram mortos e dissecados. Usando dois médicos, em cada gêmeo foi simultaneamente dada uma injeção no coração, tirando suas vidas. Eles foram dissecados e seus órgãos foram enviados para o Instituto Racial Biológico e evolutivo de pesquisa de Berlim.

Reaja! Comente!
  1. Ione Vitória

    15 de dezembro de 2015 em 22:33

    O Dr”. Mengele tinha fetiche?

  2. Edy Brow

    17 de outubro de 2014 em 05:59

    Vale lembrar que esse homem terminou seus dias aqui no Brasil, e seu fascínio sempre foi gêmeos.
    Existe uma cidade do Espírito Santo onde ele chegou ao seu objetivo, essa cidade tem o recorde de nascimento de gêmeos loiros e olhos azuis, não importa a raça de seus pais!!!!

  3. Otaciano neto

    16 de outubro de 2014 em 23:11

    To quase vomitando aqui.

  4. VanDrak SubZero

    14 de outubro de 2014 em 14:45

    Nazistas ¬¬
    Esse cara de doutor não tinha nada.
    Espero que tudo que ele tenha feito com os gêmeos seja feito com ele em triplo no inferno ¬¬

  5. Gargamau Mau Mau

    11 de outubro de 2014 em 03:46

    pensei q fosse fake,mas eh verdade esse dos gemeos…..http://www.auschwitz.dk/mengele.htm

  6. Lhama Charmosa

    8 de outubro de 2014 em 19:40

    Essa dos gêmeos é doentia, como esse Mengele conseguia dormir à noite eu não sei! D:

  7. Junior Fodastico

    8 de outubro de 2014 em 15:14

    Essa série é tão fascinante demonstra bem como um ser é capaz de destruir seus semelhantes com tanta criatividade…

  8. ultramen Tiga

    8 de outubro de 2014 em 14:56

    vale lembrar que este “Dr”. Mengele é um filho da puta, ele se escondia atrás deste cargo, mas na verdade não fazia pesquisa nenhuma.
    todos os experimentos dele eram apenas para satisfazer ele.

  9. Raul Seixas

    8 de outubro de 2014 em 13:23

    O caso dos Gêmeos foi o que eu achei mais pesado e perturbador da série até agora.

    • Adriano Saadeh

      13 de outubro de 2014 em 10:54

      Verdade, dada a minúcia dos dados, extremamente chocante

  10. Rowling

    8 de outubro de 2014 em 10:55

    Na boa man,fiquei sem palavras com isso dos gemeos.pqp.

    • Marvelunatico

      8 de outubro de 2014 em 12:28

      Se você acessasse a deep web veria coisa pior…

      • Marvelunatico

        8 de outubro de 2014 em 12:30

        Aliás, se você acessasse a Deep Webe, seria “Rowling in the Deep”….

        [img]http://bdebressa.com.br/blog/wp-content/uploads/2014/05/ultimate-prassa-with-lasers-in-hell.jpg[/img]

        • Rowling

          8 de outubro de 2014 em 20:16

          huehuehuehuehuehuehuehuehueh vei,tava tomando fanta quando li isso,saiu fanta do meu nariz kkkkkkkkkk e.e

          #Deep

          Ja vi algumas coisas la,e nem ouso cometer esse erro again.

  11. chapolim do mal

    8 de outubro de 2014 em 10:39

    Existe um experimento que se diz secreto feito nos anos 70 pelos Estados Unidos que consistia em criar um portal que transportasse matérias em longas distâncias sem nenhuma falha nos átomos, até o discovery foi atras dessa história e descobriram que um homem que diz que viajou 3.600 km em poucos segundo e voltou sem nenhuma sequela ainda estava vivo e fizeram uma reportagem com ele, é muito legal assistir porque é um tem bastante interessante.

    • Maiara Z

      9 de outubro de 2014 em 00:41

      Isso me fez lembrar da série de livros Operação Cavalo de Tróia, muito semelhante…

  12. David Elias Andrade

    8 de outubro de 2014 em 09:06

    estudos com gêmios? foi também utilizado para fins misticos…

  13. Mateus Almeida da Silva

    8 de outubro de 2014 em 00:49

    Até mesmo lado mais obscuro da ciência pode um dia vir a ser útil, já o lado obscuro da religião…

    • Raul Seixas

      8 de outubro de 2014 em 13:24

      Esse tipo de ateu é fo,da,até em post nada a ver com religião vem querer tretar.

      • Adriano Saadeh

        13 de outubro de 2014 em 10:55

        é o que mais tem na web…

    • Terrorista

      8 de outubro de 2014 em 04:25

      …também pode.

  14. Ruth

    7 de outubro de 2014 em 23:55

    O assunto é bastante intressante!
    Muito bom o post.

  15. Jeff Dantas

    7 de outubro de 2014 em 22:56

    • Ione Vitória

      15 de dezembro de 2015 em 22:32

      ?

24 Comentários
Topo