Lua de Sangue

Histórias de vampiros #4: A lenda de Drácula

No último post da série falamos sobre A lenda de Lamia, uma semideusa amaldiçoada que vagava por esse mundo caçando crianças e sugando seu sangue. Hoje falaremos sobre o mais famoso de todos os notívagos:

A lenda de Drácula – O empalador

Vlad III é um homem que virou lenda, pois ninguém consegue dizer se ele ganhou a fama de vampiro apenas por ser cruel ou se na verdade era cruel por ser um vampiro. Muitos mistérios rondam a vida desse Príncipe, que reinou sobre a Valáquia, onde era temido e respeitado, considerado um herói por muitos e um monstro por outros.

Vlad, que também era conhecido como Drakul, pois seu pai havia entrado para a ordem do dragão, não teve vida fácil, afinal ele viveu em época de grandes conflitos, nos quais ele sempre batalhou ferozmente protegendo a Europa a da invasão islâmica, mostrando-se um valoroso guerreiro e um sanguinário matador, apesar de muitas vezes ter fingido ser amigo dos inimigos apenas para ficar no poder.

Drácula nasceu quando seu pai morava no exílio na famosa Transilvânia e ainda muito novo viu a luta entre Vlad II e um parente, o qual havia pego o trono da Valáquia, por isso desde cedo ele sabia o que era guerra, afinal ela estava dentro de sua própria família.

Além disso, Vlad havia sido enviado por seu próprio pai como refém aos turcos, tudo para que o trono continuasse sob o controle de sua família. Conta-se que nessa época as loucuras sádicas de Drácula surgiram, a lenda fala que os turcos o transformaram em vampiro e ensinaram o menino a amar o sangue derramado dos inimigos, por isso ele esfolada, assava, despedaçava e mesmo empalava os que não seguiam seu comando.

O Conde começou realmente a surgir na história quando seu pai, Vlad II, e sua mãe foram mortos na invasão húngara das terras da Valáquia. Isso ocorreu em 1447 e apenas nove anos depois, foi que Vlad III retornou para tomar suas terras de direito, dizem as lendas que o retorno do príncipe não passava de um engodo, pois aquele que voltará era na verdade Vlad II, que havia retornado dos mortos para vingar-se de seus inimigos, assim as primeiras lendas de Drácula começaram correr o mundo.

Mas para conseguir assumir o poder, Drácula teve que apoiar os Turcos, algo que ele jamais desejou, contudo era um mal necessário. Somente com essa artimanha ele conseguiu assumir o trono, porém logo foi deposto.

Muitos anos se passaram até que Conde Vlad tivesse uma nova oportunidade e outra vez ele não pensou duas vezes antes de assumir o trono, utilizando-se do poder Turco para seu benefício. Durante alguns anos, ele apoiou os Turcos, porém assim que seu reino estava estabelecido e forte, suas verdadeiras intenções surgiram e ele revoltou-se contra a mão que lhe apoiava.

Sua raiva contra os turcos era tão grande que Vlad estava sempre no campo de batalha, derramando o sangue inimigo. Dizem que ele se mostrava mais forte e ágil que qualquer outro soldado, por isso tornou-se uma lenda, pois não havia quem conseguisse acreditar em uma pessoa com tamanho poderioe assim Vlad começou a se tornar Drácula, um vampiro tão poderoso que podia andar de dia, pois ele derramava tanto sangue, que nem mesmo o Sol conseguia lhe desafiar.

Conta-se que todo capitão turco derrotado era levado a presença de Drácula ao fim do dia e seu sangue era retirado, pois Vlad bebia cada gota e deleitava-se com sofrimento de seu prisioneiros.

Drácula muitas vezes assava seus inimigos vivos e tomava seu sangue ainda quente, mas o que Vlad realmente gostava era de empalar os derrotados, onde ele enfiava uma grossa lança pelo ânus do inimigo e só parava quando via a mesma sair pela boca, muitas vezes eles demoravam horas para morrer, pois a hemorragia era lenta e dolorosa. Essa arte de torturar com empalamento tornou-se o pior pesadelo de quem o desafiava.

Infelizmente o poder Turco era grande e o Exército de Drácula caiu, por isso ele fugiu e foi preso por Matthius Corvina. Durante 12 anos Vlad amargurou a prisão, onde jamais deixou de praticar suas torturas favoritas, só que eram feitas em pequenos animais dados pelos guardas. Muito se fala que isso era feito porque todos temiam deixar Vlad sem acesso ao sangue e quando isso acontecia, ele se transformava em um ser repugnante e poderoso, que poderia em raiva derrubar as próprias paredes da prisão, dessa maneira eles mantinham a besta alimentada.

Com todo seu charme e poder de negociação, Drácula conseguiu ficar livre e até mesmo se casou no tempo em que ficou "preso", finalmente em 1476 ele conseguiu retornar à sua terra e reassumir o trono. Infelizmente isso não durou muito, pois em uma batalha contra os turcos ele veio a perecer, mas isso é o que contam os livros de histórias, pois ninguém sabe ao certo o que ocorreu nesse fatídico dia. Alguns dizem que ele foi cercado e morreu lutando, outros dizem que foi traído por seus homens e alguns ainda comentam que na verdade ele foi morto por seu general, porém isso havia sido um acidente.

As lendas dizem que ele foi decapitado e sua cabeça levadas para os Turcos, seu corpo havia sido enterrado em uma ilha chamada Snagov, porém algo muito estranho ocorreu em 1931, quando os arqueólogos acharam a tal tumba: lá dentro não havia corpo algum, apenas ossos de animais…

Dizem que o poderoso Conde Drácula da Transilvânia não poderia cair em batalha pela mão de pobres humanos, o que teria acontecido na verdade era que ele havia encenado a morte, para depois poder sumir no mundo. Fala-se que ele ficou alguns meses no seu túmulo, matando pequenos animais para passar o tempo, até que um dia ele saiu e desapareceu dos registros da história.

Por isso não havia um único osso de Drácula na sua catacumba, afinal o poderoso vampiro ainda está vivo e solto, vagando entre nós.

Se você quer ouvir mais histórias de vampiros, não deixe de curtir esse post.

Me siga no Twitter: @Diego_minilua ou me adicione no Face:http://www.facebook.com/diegominilua.