Contos Minilua: Naquela noite #160

 Pois é, e para participar, é muito fácil. Para tal, envie o seu texto para: [email protected]! A todos, uma excelente leitura!




Naquela noite

Por: Amélie Poulain

foto 1

Incrível como em algumas horas toda uma vida pode mudar. Como os sonhos podem morrer por causa de um milímetro. Como a inteligência e lógica podem ser destroçados por aquilo que apaga o fogo da morte. Como a mais linda das criaturas pode… Sucumbir diante da impureza e escória. Como a felicidade cômica pode virar a tristeza melancólica… E tudo isso. São marcas que não saem, sangramentos que não param, tormento que nunca vai embora.

 - Não tente me enganar, essa máquina é viciada, porra, viciada!

- Vá se danar, Carlinhos, você é que não tem dinheiro pra pagar a aposta!

- Seu idiota! Olha isso aqui, a polícia tá a um passo de descobrir que não é casa strip, e sim um casino!

Eu olho com divertimento para a briga entre o dono do casino e o tal de Carlinhos. Carlinhos é um homem de cerca de 27 anos, de corpo normal, como o de qualquer jovem que quer sair por ai cheirando cola e vivendo uma vida normal… Tem um porém: ele é viciado em jogos de azar.

- Porra, é por isso que chama caça-níquel, é enganação, enganação, enganação!
- Cala a boca e paga meus 25 mil, seu merda!- Grita o dono do cassino.
Um silêncio se abre pelo casino. Ninguém fala, apenas olham para Carlinhos.
- Você tá ficando doente, eu nunca deveria ter te trazido aqui!- Gritou mais uma vez, o dono do casino.

E então chega uma mulher com um criança nos braços. Ela deve ter uns 40 e poucos anos, mas muito bela. Tem cabelos negros na altura da cintura e um corpo escondido por roupas florais típicas de senhoras. Ela começa a implorar para Carlinhos que pare, até que…
- Meu filho, por favor…- Implora a mulher, de joelhos.

Nenhum som. Além dos soluços de choro da mulher e o choro da criança.
- Eu não aguento mais!- Diz ela, bem baixo, só pode ser ouvido por causa do silêncio.- Vocês são pai e filho! Pai e filho!

Carlinhos olha para o dono do casino e começa a fazer cara de choro.
Ela se aproxima do senhor e diz:
- Você escolheu mexer com esse tipo de coisa mas nunca deveria ter envolvido nosso filho nisso, Ricardo!

- Era brincadeira de criança!- Responde o homem.- Mas ele ficou viciado!
- Sua culpa! E então aquela mulher insignificante que tem nos casinos, cheia de maquiagem… Espere… Não é mulher.

- Tá bom, tá bom tá bom! Sem clima pra festa. Estamos encerrando nossas atividades por hoje…
Carlinhos enxuga as lágrimas.
- Eu não quero ficar aqui.

E então o dono do casino, Ricardo, começa a chorar.
- Meu filho, volte!- Grita.
Mas Carlinhos está da porta pra fora.

Eu sou curiosa… Algo me diz que essa história tem mais… Vamos ver…
Carlinhos sai fumando um cigarro, está indo em busca de sua namorada, Bianca. Como sei? É a foto saindo da carteira dele com o nome, é a mancha e batom em sua camisa, é o sorriso tímido em seu rosto.

Ele anda apenas alguns metros até um prédio, e eu vou atrás.
O prédio é um daqueles antigos, muito pacato, a única estranheza é a ausência de um porteiro…
Entramos na portaria, como já disse, sem porteiro. Ela tem uma parede cheia de botões e nomes… Dr. Carlos(coincidência?), Dona Isaura, Sr. Licurgo Passos, Tiago Moreira, Antônio Boamorte (e família), Bianca Soares… Bianca!

Ele aperta o botão e se aproxima da parede, e eu procuro prestar bastante atenção no que eles dizem.
- Qual é a senha?- Pergunta ela com ironia.
- “Você é o amor da minha vida”…
Ouço um tipo de suspiro vindo dela.

- O que posso fazer se não consigo ficar longe de você?
Ele se dirige ao elevador, parece confiante… Eu sigo… Como boa espectadora. Ele entra e aperta no 3° andar. E então, algo inesperado acontece… Ele tira do bolso uma caixinha de veludo vermelho, e lá dentro há um anel… Um anel de noivado…

Os olhos dele brilham e o sorriso tímido volta… Tudo o que já presenciei se torna tolo ao ver aquilo, simples… Encantador…Saímos do elevador e vamos em direção a porta “45”, ou seja, o apartamento “45”. Quem abre não é ela, é outra pessoa, que recomenda que ele faça silêncio. Ele não está surpreso, mas se faz de surpreso.

Entramos eles começam a fazer uma festa. Ele faz cara de quem não entendeu e vai em direção a Bianca, a garota da foto.
- Esqueceu meu aniversário?- Pergunta ela.
- Esqueci.
- Esqueceu?- rindo e se aproximando dele, ele recua sorrindo.
- Sim, esqueci. O que vai fazer?

Ela coloca os braços em volta do pescoço dele.
- Eu vou te fazer lembrar… Com um beijo…
E então morde o lábio inferior dele, fazendo ele recuar de dor e rir ao mesmo tempo.
- Eu admito… Sou um canalha…

É um pouco verdade o que ele disse… Ela lança um olhar feliz e abraça-o. Ele fecha os olhos e sorri. Parece que encontrou seu lugar no mundo… O único lugar onde não se sente tão só.
Eu estou começando a achar que não deveria estar aqui… Minha procura sempre foi a outra coisa, não isso. Mas algo diz que eu devo ficar aqui…

E então, desviando o olhar eu vejo um homem, jovem, de estatura baixa filmando eles.. Mas algo me diz que eu deveria observar o que ele filma, e eu vejo que ele não filma eles ele filma… Ela… E eu penso que ele admira-a, ele vê ela como a criatura mais doce e inocente do universo, como a mais linda, a mais delicada, a… Mais encantadora…

Carlinhos percebe que ele filma, e deixa de ser aquele apaixonado para se tornar novamente um encrenqueiro.
- O que você tá fazendo, seu filho da puta? O cara parece fraco demais pra lutar, mas Carlinhos empurra-o.

E então ela foge entra todas aquelas pessoas. Ela fala com uma amiga e eu resolvo ouvir.
- Calma, você sabe que…- tenta argumentar a amiga.
- Eu não aguento mais ver ele brigando com o meu amigo.
- Carlinhos é ciumento, tenta entender…

- O que eu faço, por favor? Como vou contar pra ele desse jeito?
- Calma, tudo vai se ajeitar…
Elas vão em direção ao quarto.
- Admirá-la, tudo o que eu quero é admira-la!

Meus instintos me levam de volta aos dois.
Carlinhos dá um chute no rosto do homem.
- Você é um merda!
- O dinheiro que você quiser, o dinheiro que você quiser se me deixar apenas admirá-la.
Carlinhos parece se acalmar, e… Decide tentar ouvi-lo

- Ela é sua, cara, sua! Eu só gosto de vê-la, ver como é bonita, só isso… Eu sei dos seus problemas, cara, eu posso resolver, cara! O dinheiro que você quiser…
- Tudo bem…- Murmura Carlinhos - Vamos falar sobre isso.
Eles vão para a cozinha.
- Quanto você quer?

Carlinhos olha pra ele com vergonha.
- 25 mil… Não toque nela!
- Eu nunca o faria!- Exclama o homem.

Apesar de tudo, Carlinhos sabe o que fazer agora. ele pega a caixinha vermelha e, depois de ter vendido a imagem de sua amada, vai pedi-la em casamento. Tê-la por inteiro, mesmo sabendo que a imagem dela é também de outra pessoa…

Ele esconde a caixinha nas costas e procura por ela, mas logo acha, indo em direção a porta da frente.
Ele sorri e vai em direção a ela.
- Amor, eu…
- Babaca!- Grita ela.

Ela sai porta fora e bate fazendo um barulho que todos podem ouvir, apesar da música alta.
Ele até cogitou em ir segui-la, mas pensou em deixa-la esfriar a cabeça…
Para resumir, passou-se uma hora. Ele bebia e cheirava bastante,enquanto traia Bianca com um monte de mulheres.

Ele parecia um maluco, pulando e rindo… Isso até chegarem as 5 da manhã, quando todos vão embora e ele se vê sozinho. Bianca não está lá. Ele decide ir procurá-la na casa da amiga dela, que fica do outro lado da rua.

Acho que agora as coisas estão indo como eu havia imaginado, pois na calçada ele se depara com Bianca com o rosto ensanguentado dentro de um carro. Ela está debruçada no vidro, e quando ele se aproxima ele vê que o motorista é nada mais nada menos que o comprador dela. Ele sorri e deixa um papel cair na rua, e arranca com o carro muito rápido.

Carlinhos pega o papel e corre atrás do carro até os seus pulmões não aguentarem, ele não consegue alcançar.Que ironia? O papel é um cheque de 25 mil reais que ele trata de rasgar em um milhão de pedacinhos… Até que ele se lembra de algo importante…

Meu sorriso é inevitável. Essa será a mais divertida que eu já vi!
Ele corre até a casa do pai em busca de algo. Ele entra sem cerimonia e pega uma arma dentro da gaveta da sala, para emergências.

- O que você tá fazendo?- Diz o pai, que acaba de acordar com o barulho.
- Nãããão!- Exclama a mãe dele, que acordou antes para alimentar o bebê, que agora está no chão brincando com uns blocos com letras, números, animais…
- Seu doente, doente, doente, doente! Solte isso!- Exclama o pai.
- Ele mexeu com a Bianca, levou ela pra longe, eu vou matá-lo!
- Haja como um homem uma vez na vida, chame a polícia!

Ele coloca a bala na arma.
- Isso é entre mim e ele…
- Para com isso, meu filho, fique aqui em casa e chame a polícia. Ficaremos todos aqui com você, não precisa disso!- Diz o pai, tentando convencê-lo.
- Não!- Exclama Carlinhos.

A mãe está assustada e não consegue dizer nada. O pai, então parte para cima do filho tentando tirar a arma dele. Carlinhos reluta até que deixa a arma cair e ela dispara… O silêncio toma conta da sala. Carlinhos sabe o que aconteceu quando ouve o grito histérico da mãe.

foto 2

O tiro foi parar na cabeça da criança.
- Nããããããããão!- Grita a mulher, de agonia e dor, dor de mãe.
Ela chora enquanto abraça seu filho sem vida, e o sangue inocente banha suas roupas brancas de dormir. Carlinhos fecha os olhos e se ajoelha no chão. O pai simplesmente chora sem saber o que fazer.

- Monstrooooooo!- Grita a mulher enquanto no seu outro filho, manchando-o de sangue.- Você acabou com a minha vida! Você não deveria ter nascido!
Carlinhos começa a chorar também, percebendo a besteira que fez… E por fim, ela volta a abraçar o cadáver inocente, olha para Carlinhos com frieza e diz:

- Assassino!
A esta altura o pai já havia chamado a ambulância e a polícia, com esperanças de que a criança sobreviva.

Os médicos e policiais chegam. Os médicos checam os sinais vitais da criança e balançam a cabeça em sinal de negação. A mulher vai ao chão mais uma vez, gritando de dor.
- Nããão! Meu filho nããão!

Os médicos levam o corpo e os policiais levam Carlinhos, que, a esta altura… É só um corpo.
E eu vou saio pensando em como as coisas acontecem, assim, de repente… Rápido… Tudo pode morrer em um piscar de olhos, e nada tem uma explicação…

foto 3

A vida é assim… A morte é assim.

Reaja! Comente!
  1. Marinho Junior

    17 de maio de 2014 em 00:28

    nao é assustador e sim dramático

  2. Priscila Marinho

    28 de janeiro de 2014 em 01:12

    gostei! me pareceu uma estória que minha avó me contava quando eu era criança.

  3. pattreson junior

    25 de janeiro de 2014 em 23:19

    ótimo conto

  4. F Gomes

    23 de janeiro de 2014 em 21:19

    com certeza o melhor que já li.

    • Garota Infernal

      23 de janeiro de 2014 em 21:55

      Obrigado.

  5. Garota Infernal

    23 de janeiro de 2014 em 17:25

    Bom, eu tenho que dizer o quanto estou emocionada porque eu estive viajando por esses dias fazendo um curso e aproveitei para levar meu notebook para o concerto, acho que deu para perceber no texto que eu tive problemas.
    Eu estou muito agradecida ao Jeff por ter sido tão atencioso com meu conto e por ter postado tão rápido, eu agradeço de verdade. Agora, contarei o mistérios do conto.
    Bom… Tenho que admitir que o conto é baseado no filme “Irreversível”, eu até coloquei uma foto do Vincent Cassel no conto, eu queria colocar uma foto da Monica Bellucci, porém, não achei a foto certa, afinal, queria mostrar Bianca como uma mulher bonita e ao mesmo tempo frágil e fascinante.
    Eu quis mostrar como uma vida que já não é boa desce até os degraus mais baixos, como, sem querer, uma pessoa acaba com a vida da outra.
    Carlinhos é egoísta, apesar de eu ter passado-o como um romântico apaixonado, ele amava Bianca, sem dúvidas, mas ele era egoísta demais para oferecer o melhor para Bianca e para todos a sua volta. Ele devia 25 mil reais ao próprio pai, o mesmo já estava quase na cadeia.
    É também uma história sobre escolhas erradas, não sei se tive êxito, mas queria que as pessoas refletissem, “E se Carlinhos não tivesse relaxado quanto a segurança de Bianca?”, “Por que Carlinhos confiou em um homem que tinha fascínio pela mulher dele tão facilmente?”, e eu respondo: ele era egoísta.
    O narrador não é uma pessoa, nem um objeto, é o próprio destino, e como ele cerca as pessoas.
    Ele está no meio de nós, e acho irônico que ele veja esse tipo de coisa acontecer sem ajudar (kkkkkkk), e eu coloquei o destino como um “personagem feminino”(“E como eu sou curiosa…”) para que vessem ele como uma personagem, e não um sentimento.
    No fim do filme… (Spoiler, mas vamos lá, afinal, o fim do filme é no começo) Um dos personagens principais mata o homem errado em sua vingança contra o estupro da mulher, e eu quis que no conto fosse algo monstruoso, algo negativo e forte, pois um inocente teve sua vida ceifada por causa do egoísmo do próprio irmão.
    A vida é assim… A morte é assim.
    PS: Prestarei mais atenção nas concordâncias, quando eu escrevi o teclado travava e eu me esquecia o sentido do trecho. Como diria meu primo: os orifícios do ofício.

    Queria pedir só mais um favor, se não for incômodo. É que eu tenho um conto no meu blog e estou quase no fim, Jeff. Eu queria que você lesse as partes e me dissesse se te lembra alguma coisa, só isso, me diga se te lembra alguma coisa. Eu queria testar isso…(Esqueça o título, o segredo está no conto)
    Parte 1: http://contosocontadordehistorias.blogspot.com.br/2013/12/a-pele-que-habito-1-aberracao.html
    Parte 2:http://contosocontadordehistorias.blogspot.com.br/2013/12/a-pele-que-habito-2-as-esquisitices-de.html
    Parte 3: http://contosocontadordehistorias.blogspot.com.br/2013/12/sem-narracao-s-enfermeiras-alice-e.html
    Parte 4:http://contosocontadordehistorias.blogspot.com.br/2013/12/a-pele-que-habito4-o-sono-de-cristal.html
    Parte 5:http://contosocontadordehistorias.blogspot.com.br/2014/01/a-pele-que-habito-5-todo-mundo-quer-ser.html

    • Lucas Rodrigues

      23 de janeiro de 2014 em 18:11

      Gostei muito do seu conto, me emocionou de verdade.
      Esse que você tá escrevendo atualmente tem mesmo 5 partes ou terá mais? Tô bem curioso, mas gostaria de saber se a parte 5 é a última já que eu quero ler toda o conto quando ele estiver completo.

      • Garota Infernal

        23 de janeiro de 2014 em 19:30

        Não, ele tem 7 partes. Você leu? o que achou? te lembrou alguma coisa?

        • Lucas Rodrigues

          23 de janeiro de 2014 em 21:00

          Ainda não li, mas pretendo vê-lo quando eu tiver tempo, ando muito atarefado, fanfic pra continuar, sinopses pra escrever, enfim, uma porção de coisas.
          Quando eu ler darei minha opinião.

  6. 7

    23 de janeiro de 2014 em 07:58

    não sei por quê mas o Carlinhos me lembrou o Jesse Pinkman

  7. riley matarazzo

    22 de janeiro de 2014 em 20:31

    q historia triste. coitado do garotinho.

  8. Lucas Rodrigues

    22 de janeiro de 2014 em 07:39

    Eu realmente tô sem palavras pra descrever esse conto de tão… de tão incrível que é e.e
    Amélie, você é uma escritora de altíssimo nível, pois esse conto fez eu sentir as cenas, como se eu estivesse vendo-as na minha frente, foi uma coisa assim, sei lá, me tocou, me comoveu de verdade, quase chorei na cena do tiro que atingiu o bebê, emocionante, acima de tudo.
    Fiquei com uma dúvida apenas com relação ao narrador, ele via tudo e seguia os personagens, que tipo de ser ele é? Um fantasma? Mas fora isso, o conto tem uma profundidade de fazer os olhos brilharem de emoção.
    O final só pecou pelas pontas soltas que ficaram. Afinal, o que houve com a Bianca? Qual foi destino dela nas mãos do “admirador”?
    Nota: 9,0 – Ótimo. Espero ver outros contos seus aqui no site, porque você escreve muito bem, de uma maneira que faz alguns aspirantes a escritores se inspirarem e criarem suas próprias estórias.
    Parabéns 😉

    • Leonardo Gomes

      23 de janeiro de 2014 em 15:49

      “Uma escritora de altíssimo nível” Não tenho nada mais a declarar, as palavras altíssimo nível estão ecoando na minha cabeça.

      • Garota Infernal

        23 de janeiro de 2014 em 19:32

        Uau, isso foi cruel. Perdoe-me.

        • Leonardo Gomes

          24 de janeiro de 2014 em 18:08

          E eu falei isso porque esse cara elogia tudo. E sinceramente, escritor de altíssimo nível é uma palavra um pouco forte. Se bem que tudo é uma questão de perspectiva. O perspectiva de altíssimo nível dele pode ser um 10. A minha, um 100, rs. Mas enfim, não se ofenda. Pra um escritor, ou escritor em potencial, esses elogios são terríveis. Te deixam mal-acostumado. Professores da rede pública de ensino fazem isso. Pegam as redações fraquíssimas e dão notas boas por preguiça de apontar os erros, ou preguiça de melhorar a qualidade da produção textual da sala. Quem escreve, tem que levar crítica mesmo, pra aprender e amadurecer suas produções com quem realmente entende, absorvendo as criticas válidas.

          • Garota Infernal

            25 de janeiro de 2014 em 00:24

            Entendi, estava apenas brincando.

        • Leonardo Gomes

          24 de janeiro de 2014 em 17:57

          Se você estava me respondendo, não se ofenda. Seu conto foi um dos melhores que eu já vi aqui. Porém também não se exalte, o nível dos contos aqui são baixíssimos, rs.

    • Gustavo Daniel

      22 de janeiro de 2014 em 13:14

      você deve ser o tipo de pessoa que da 10 para oblivion

      • Lucas Rodrigues

        22 de janeiro de 2014 em 18:53

        Nem vi esse filme ainda.

        • Gustavo Daniel

          22 de janeiro de 2014 em 20:29

          eu usei oblivion como exemplo pois ele é um filme ruim com muitos furos no roteiro,mas com isso eu quis dizer: você deve ser o tipo de pessoa que da 10 para filmes ruins

          • Lucas Rodrigues

            22 de janeiro de 2014 em 21:14

            Vish, tem muito ruim que eu não gosto. Dá até nojo de cita-los aqui.
            Mas o conto em si não foi nada ruim, ela só cometeu um deslize no final, e só.

            • Emmanov Kozövisck

              23 de janeiro de 2014 em 21:41

              Eu discordo. Eu apontei mais furos na história do que você.

              • Garota Infernal

                23 de janeiro de 2014 em 21:57

                Me desculpem, mas o único erro que cometi foi gramatical, toda a construção da história foi bem pensada e eu quis assim, tudo está lá por um propósito. O problema é que você quer saber a história com dados de polícia, mas vai até o que o destino do Carlinhos permite.

                • Gustavo Daniel

                  23 de janeiro de 2014 em 23:00

                  a historia é cheia de furos, não faz sentido e é ruim.

                  • Garota Infernal

                    23 de janeiro de 2014 em 23:09

                    Faça como o Glorioso Nerd Prodígio e aponte os erros. Eu gosto que critiquem, mas isso parece o bom e velho “Você é feio, bobo e chato!”.

                    • Gustavo Daniel

                      23 de janeiro de 2014 em 23:50

                      achei desnecessário ressaltar o que já foi dito por varias pessoas, mas como vc insiste…
                      primeiramente o erro mais grave , o narrador simplesmente aparece do nada,sem ninguém saber quem ou o que ele é, e no conto ninguém percebe sua presença, ele simplesmente faz o que quer quando quer,sem ninguém achar estranho uma pessoa que eles nunca viram que nem foi convidado para a porra da festa estar la,ou o Carlinhos não achar estranho alguém seguindo ele de la para cá, ou no final que o narrador simplesmente entrar na casa e vê o que aconteceu la dentro sem ninguém perceber nada, isso não faz sentido algum.
                      e claro o segundo erro mais importante, o que aconteceu com a bianca? você simplesmente ignorou a personagem no final da história,fazendo com que não tenha sentido aquilo ter acontecido, sendo que vc poderia arrumar outra forma dele querer matar o cara.
                      alem disso o texto é muito redundante, muito confuso, como ja disse não tem nada a ver com terror enquanto essa série é sobre contos de terror.
                      toda historia,filme,livro,etc tem que ser auto-explicativo,ou seja eu tenho que entender tudo que esta acontecendo PELA HISTORIA,então nem venha tentar explicar com desculpinhas como “o narrador era uma entidade invisível ou algo assim” porque se ele fosse algo sobrenatural deveria ser explicado NO TEXTO,e também nateria sentido se fosse, pois pelo texto da para ver que o narrador é um humano e não algo sobrenatural.
                      daria para até falar de mais alguns erros, mas são erros pequenos que não valem a pena serem citados e o comentário já ta muito grande, e não tenho saco para ficar escrevendo cometários gigantes

                    • Garota Infernal

                      24 de janeiro de 2014 em 01:23

                      Um equivoco teu: a parte dos contos pode ter contos de qualquer assunto, Jeff diz no começo de cada conto que pode ser de qualquer assunto. Tá bom? Não é de terror.

                    • Gustavo Daniel

                      24 de janeiro de 2014 em 01:29

                      procurei e não achei essa parte que vc fala que tem no começo do post em que ele diz que pode ser sobre qualquer tema,e esta na categoria terror, então logo, o tema deveria ser terror.

                    • Garota Infernal

                      24 de janeiro de 2014 em 01:32

                      Ele quem colocou. Drama é um tipo de terror.

                    • Gustavo Daniel

                      24 de janeiro de 2014 em 01:52

                      que foi ele que colocou eu sei.
                      mas não, Drama não é um subgênero de terror.
                      mas vai ai a definição dos dois quando se trata de gênero,com isso vc pode ver que os dois tem ideias que contrariam uma a outra:
                      Terror: Também conhecido como Horror é um gênero que está sempre muito ligado à ficção e fantasia, gênero que explora temas e cenas que causam medo.
                      Drama:gênero de caráter “sério”, não cômico, que apresenta um desenvolvimento de fatos e circunstâncias compatíveis com os da vida real.

                    • Garota Infernal

                      24 de janeiro de 2014 em 02:20

                      Vou dar alguns exemplos de terror e drama e como eles se encontram e o que eu quis dizer.
                      Meu conto é um conto de drama, sem terror. Agora eu vou lhe mostrar umas coisas:

                      [img]http://cdn.fstatic.com/public/movies/covers/2010/08/thumbs/de5146f729d819eda96f74e665fa5d0b_jpg_290x478_upscale_q90.jpg[/img]

                      Eraserhead: O melhor filme de terror original em anos.
                      Esse filme mistura drama terror formando a obra mais assustadora da história. Dá nó na garganta e mescla sentimentos no espectador. Se fosse só terror eu acredito que sua qualidade diminuiria bastante, se fosse só drama também. esse é um exemplo de terror e drama.

                      [img]http://cdn.fstatic.com/public/movies/covers/2010/09/thumbs/9a91a7656ccb437cf6afcd915b0bf46e_jpg_290x478_upscale_q90.jpg[/img]

                      A casa de cera:
                      Típico filme de terror hollywoodiano. Atuações insossas e um banho de sangue. Sensações? Não, obrigada.

                      Em drama eu separei dois filmes do mesmo diretor para você ter uma ideia:

                      [img]http://cdn.fstatic.com/public/movies/covers/2011/07/thumbs/9846e27856201be1fd3ad056fa012689_1_jpg_290x478_upscale_q90.jpg[/img]
                      O cisne negro: O filme é mórbido e enquanto conta a história de uma garota reprimida e fraca, conta com a transformação dela, que vai rumo a alto-destruição. É terror também, pois brinca com o maior medo do ser humano: o medo de enlouquecer.

                      [img]http://cdn.fstatic.com/public/movies/covers/2011/06/thumbs/f0d00c3c21b07454dc2deffc0c61f82e_jpg_290x478_upscale_q90.jpg[/img]
                      Requiem for a dream: É um drama realista. É tudo o que posso dizer.

                      Você está pedindo sangue? está pedindo medo? O drama pode passar medo tanto quanto o terror, pior, pode traumatizar e fazer pensar, fazer sentir. Eu já falei sobre meus erros e acertos no conto, mas na execução, não na construção da história.
                      Drama nunca será um subgênero.

                    • Gustavo Daniel

                      24 de janeiro de 2014 em 20:28

                      terror e Drama podem sim se misturar,como a maioria dos gêneros podem, porem Drama não é um subgênero de terror como deu a entender no seu comentário.
                      e como já disse seu texto não tem nem um pingo de terror.

                    • Garota Infernal

                      25 de janeiro de 2014 em 00:23

                      Por que é drama, porta!

                    • Gustavo Daniel

                      25 de janeiro de 2014 em 01:27

                      Uma hora vc diz uma coisa, outra hora vc diz outra que é o contrario do que vc havia dito,não da para intender.

                    • Garota Infernal

                      25 de janeiro de 2014 em 02:20

                      Eu não disse que o conto é de terro, muito menos terror e drama. Eu dei exemplos de terror puro e terror e drama para você parar de colocar terror em um pedestal.

                    • Gustavo Daniel

                      25 de janeiro de 2014 em 09:03

                      não coloquei terror em um pedestal, mas como ja disse, se esta na categoria “terror” tem que ser de terror.

                    • Garota Infernal

                      25 de janeiro de 2014 em 21:42

                      A culpa não é minha.

                    • Garota Infernal

                      25 de janeiro de 2014 em 02:19

                      Eu disse que ele colocou em terror, que eu não tinha pedido. Não é terror é drama.

                    • Garota Infernal

                      24 de janeiro de 2014 em 01:21

                      Bom, seu comentário não foi uma crítica, você simplesmente apontou questões sobre o conto. O conto não é auto-explicativo por que ele não tem explicação, talvez tenha sido um erro eu fazer isso, mas eu quis dar a chance do leitor fazer a própria interpretação dos fatos.
                      Por exemplo, qualquer um que preste atenção vai reparar que o narrador não é uma pessoa… Se fosse uma pessoa ela tentaria mudar alguma coisa pois ele mostra o desejo de que aquilo acabe em um momento, mas o próprio sadismo faz ele continuar.
                      Bianca… Oh, Bianca. Simplesmente banalizei Bianca. Ela não disse o que queria falar, ela não teve muitas falas, ela talvez nem tenha sobrevivido, o que foi feito de Bianca? Não sei, estava ocupada fazendo no narrador que sente cheiro de tragédia seguir aquilo que ele acha que vai ser uma tragédia. Seu raciocínio muito lógico vai perguntar “Por que ele não foi atrás da Bianca que vivia em uma situação trágica?” O narrador estava dançando de um lado para o outro procurando entender a história e adivinhar o final, e ele queria o final que teve.
                      É como uma história real assistida por alguém que não existe, e a pessoa vai e conta o que aconteceu.

                    • Gustavo Daniel

                      24 de janeiro de 2014 em 20:45

                      após esse comentário só percebi que o texto tem menos sentido ainda,e como eu já disse, boas obras sempre são auto-explicativas,um texto,filme ou livro que deixa muitas questões é considerado ruim pela maioria das criticas, Prometheus que o diga.
                      e essa frase no começo do comentário “O conto não é auto-explicativo por que ele não tem explicação” só prova como o texto foi muito mal feito.
                      e essa coisa do narrador não ser humano,tinha que ser exposto no texto de alguma forma, pois, muitas vezes no texto deu a impressão de que ele é um humano,e isso ainda não explica o motivo de ele aparecer de repente,fazendo parece até que ele é uma pessoa da família do Carlinhos, já que o narrador aparece de repente quando a família de Carlinhos esta sendo apresentada.

                    • Emmanov Kozövisck

                      23 de janeiro de 2014 em 23:13

                      Gloriosos? Hahaha. Sou um estudante arrogante de 13 anos, o máximo de glorioso que tenho é a curiosidade pelo desconhecido e pela dedicação nos estudos. Mas críticas sem argumentos não são boas.

                    • Garota Infernal

                      24 de janeiro de 2014 em 01:26

                      Glorioso por que é inteligente. Glorioso por que é interessante. Glorioso por que faz da discussão uma diversão. Glorioso por ser maduro no que diz. Glorioso por se dedicar a aprender. É a minha opinião, eu fiz uma matéria sobre a sociedade adolescente e nas pesquisas eu percebi que você é um tipo bem raro.

                    • Emmanov Kozövisck

                      24 de janeiro de 2014 em 11:51

                      Bah… Assim você me deixa envergonhado. Mas como você diz tudo isso se sequer me conhece? É uma precipitação (não chuvosa) dizer tais cosias sobre mim sem sequer ter me visto pessoalmente. Mas agradeço muito os elogios, eu adoro discutir com você.

                      “Um tipo bem raro” HUEUHEUHEUUEHEUHEUHEUHEHUEUEUEUEUHE. Sou da espécie Yuri.

                    • Garota Infernal

                      25 de janeiro de 2014 em 00:22

                      Eu disse isso com base no que você mostrou em nossas conversas.

                    • Emmanov Kozövisck

                      23 de janeiro de 2014 em 23:14

                      Errei na digitação. Bah, que se dane.

                  • Gustavo Daniel

                    23 de janeiro de 2014 em 23:02

                    e ainda esta em uma categoria de posts de terror enquanto não chega nem perto do gênero.

                • Emmanov Kozövisck

                  23 de janeiro de 2014 em 22:07

                  Não quero saber além do que foi escrito, quero saber mais sobre o desenvolvimento. A história foi ligeiramente confusa.

            • Gustavo Daniel

              22 de janeiro de 2014 em 21:16

              eu daria no máximo nota 2,5 pro conto

            • Lucas Rodrigues

              22 de janeiro de 2014 em 21:15

              *muito filme ruim

    • johnny_eagle

      22 de janeiro de 2014 em 09:42

      cara oque aconteceu coma bianca cara. o nome da minha namorada é bianca tbm, estou preocupado

    • Lucas D

      22 de janeiro de 2014 em 09:14

      Ela tem um blog de contos cara, pra que esperar eles aparecerem aqui?

      • Lucas Rodrigues

        22 de janeiro de 2014 em 09:53

        Se ela quiser enviar alguns aqui pro ML ela pode u.u

      • Emmanov Kozövisck

        22 de janeiro de 2014 em 09:32

        Dois Lucas. Maravilha… Que blog é este?

    • Emmanov Kozövisck

      22 de janeiro de 2014 em 09:10

      Lucas, seu miserável, você pega muito leve nas críticas, a sua parece oposta à minha… Leia, seu maldito: quando a minha matéria for postada, eu espero que não pegue leve. Não tenho medo de notas baixas.

      • Lucas Rodrigues

        22 de janeiro de 2014 em 09:53

        Tá legal, vou avaliar sua matéria nos mínimos detalhes 😉

      • Emmanov Kozövisck

        22 de janeiro de 2014 em 09:28

        Perdoe-me pela exaltação, é algo natural para o Hiei se exaltar.

  9. Emmanov Kozövisck

    22 de janeiro de 2014 em 01:29

    Não se preocupem com os males deste mundo, pois no fim haverá uma Nova Era.

    “Nova Era brings the ashes back to life”.

  10. Emmanov Kozövisck

    22 de janeiro de 2014 em 01:22

    Minha cara Amélie Poulain, desculpe-me pelo ultraje mas eu não gostei da sua narrativa. Inicialmente, ela parecia que se desenvolveria em um enredo fascinante, entretanto, com o desenvolver da história, a narrativa perdeu o foco e eu não compreendi qual era o seu foco: se era no como a vida se esvai facilmente, se era na vida do protagonista ou se era nas atitudes negativas que ocorrerão quando Carlinhos agiu. Não sei ao certo o porquê não gostei, mas eu diria que a sua história perdeu o foco e o enredo foi completamente confuso. Considero o pior erro foi a criação de um(a) narrador(a) quase onipresente. Ou seja, ele(a) é uma pessoa qualquer que começa a perseguir Carlinhos e vê tudo o que acontece com ele: vê o que ocorre no apartamento, vê o que ocorre no bar, tudo vê! Tu não deverias ter iniciado a narrativa desta forma, criando um personagem desnecessário que só torna o enredo controverso – o ideal para mim seria uma narrativa em 3ª pessoa. Erros de concordância pecaram na sua narrativa, deixando certas vezes confuso, assim como nas repetições contínuas dos pronomes “ele” e “ela”.
    Eu acho que você deveria ter desenvolvido um pouco mais a sua história e repensado os pontos negativos que citei. Porém, esta é a minha opinião.
    E avisarei-a: em meados de fevereiro, enviarei a minha matéria para o Minilua (falta pouco! Por favor, Minilua, envie-a logo depois que eu enviar para você!), e ficarei muito grato se você comentasse e criticasse a minha postagem. Sucesso, sua linda.

    Nerd Prodígio, o Hiei superdotado.

    • Garota Infernal

      23 de janeiro de 2014 em 17:34

      Desculpe pela minha ausência e por não ter respondido teu comentário antes que, a propósito, goste bastante.
      Eu sou uma artista que gosta das críticas, e pra mim, todas elas são positivas, e você prestou bastante atenção na minha obra.
      Eu já expliquei minhas falhas, mas quero responder você, por que gostei bastante do seu comentário.
      O narrador é o destino. Não que eu acredite, mas eu quis colocar alguém assistindo, e o único ser perfeito para isso seria essa força invisível que faz um laço da vida das pessoas. Eu quis mostrar seu sadismo ao assistir com diversão a destruição de vidas e no final… Sair andando e lamentando, mas não lamentando de verdade, simplesmente dizendo “é a vida… é a morte”.
      Sim, eu escrevi bem mal essa, tem algumas partes que eu acho que ficaram melhor e outras que eu não me reconheço escrevendo, mas é que eu estive tendo um certo bloqueio criativo depois de um trauma que eu passei(Minha mãe foi exorcizada. Eu não estou mentindo.) e quando eu consegui criar eu não executei perfeitamente, eu não estou totalmente satisfeita com esse conto e planejo reescreve-lo no futuro, ou fazer um curta metragem com ele por que tenho uns contatos, só sei que essa história não vai ficar assim.
      Quando eu crio eu não tento criar algo que faça sentido ou que as pessoas gostem, eu até comentei que eu, as vezes, não gosto do meu modo de escrita pois é um tanto quanto controvérsia. Eu tentei fazer um conto de comédia… Mas eu exagerei e virou humor negro sujeito a processo.
      Bom, se quiser saber mais leia meu outro comentário.

      • Emmanov Kozövisck

        23 de janeiro de 2014 em 22:06

        Finalmente tu respondeste, eu já estava me entristecendo. Eu li ambos os comentários (este e o abaixo) e vejo a tua narrativa de um outro ângulo, entretanto, não retiro nenhum ponto da minha crítica. O narrador onipresente era uma energia que observava independentemente de sua localização, mas isto deveria ter sido explicado no texto e não como um comentário do texto, já que isto causa muita confusão no leitor atencioso. No final, este ser foi abandonado pela falta de caracterização (mas isso é irrisório para o foco da narrativa, entretanto eu acharia interessante) e o curioso é que é feminino. De acordo com os meus conhecimentos espirituais, não existe sexo em seres evoluídos ou de um plano superior ou mesmo em algo sem vida. Na teoria, a ideia de mostrar como ocorre a destruição de vidas é interessante, mas quando tu colocou-as em prática deixou a desejar muito, com uma narrativa que não me aproximou do personagem – acho que se o Carlinhos narrasse o texto seria muito melhor. E eu entendo que você buscou um pensamento profundo do leitor, porém a forma de seu texto está confusa para que eu reflita sobre a finalidade. E é notório que você não escreveu para as pessoas e sim para si mesmo. Eu conheço colegas de classe que têm esse problema, pois embora ela esteja entendo o que escreve, aquele que lê não (em iniciantes que escrevem textos críticos é muito comum, e eu já cometi esses erros algumas vezes até aprender a passar a minha ideia para a mente da pessoa – mas estou em desenvolvimento).
        Só não compreendi o termo comédia? Não vi anda de cômico nesta narrativa – a não ser que seja a Divina Comédia. Também não notei nenhum humor negro passivo de processos (50 tons de cinza merecia ser processado e não foi). E desculpe pela acidez de meus comentários, não sou nenhum crítico renomado mas gosto de avaliar as obras escritas das pessoas, como um hoobie. Mas não se preocupe, a falta de inspiração é um tema recorrente em grandes autores – quando não tiver inspiração, leia, saía para andar ou viajar: isso sempre me inspira. Eu lembro que eu costumava a escrever histórias quando mais novos, mas os erros ortográficos e o sumiço dos materiais me impossibilita de publicar no Minilua. Aguarde-me, eu postarei minhas histórias.

        Eu visitarei o seu blog para ler as histórias. Mas não pouparei críticas, afinal, criticar é um hoobie!

        Estarei ansioso para ver a sua crítica sobre meu texto. Tanto críticas positivas quanto negativas são um estímulo para mim!

        E, usuários do Minilua, eu gostaria da minha miséria. Eu gasto minutos com críticas mas não recebo nenhum like? #Euodeiovocês ;(

        • Garota Infernal

          23 de janeiro de 2014 em 22:55

          Descobri o seu problema, Nerd Prodígio. Você não presta a devida atenção aos textos e tira entendimentos equivocados. Comédia não é neste conto, eu falei de outra conto que eu fiz para o meu blog.
          Talvez você não tenha entendido o sentido do texto: Carlinhos é um sacana, só que ele não entende que ser um canalha(Quando ele diz “Eu sei que sou um canalha” eu havia colocado em negrito para destacar, só que não ficou em negrito aqui, mas eu queria enfatizar isso.) não vai prejudicar apenas ele, mas também as pessoas em volta dele.
          O egoísmo dele era tal que ele acreditava que seu estilo de vida não iria prejudicar ninguém, nem mesmo a Bianca.
          Eu nunca quis que ninguém soubesse que era o destino, é que com tantas pessoas perguntando eu me senti obrigada a dizer que é o destino, é como uma obra prima do cinema, “Eraserhead”, é de interpretação pessoal do espectador, de modo que só ele saiba quem é, o que significa. Neste caso, pra mim é o destino, mas para os outros pode ser qualquer coisa.
          Você deve parar de dar tanta importância a lógica, se as pessoas questionassem tanto a arte muita coisa acabaria, como o surrealismo. O movimento vanguarda não duraria 3 minutos. A lógica não existe, é apenas nossa tola interpretação do real e normal formando uma chatice tediosa.
          Último recado: Preste mais atenção no que está escrito, nos detalhes.

          • Emmanov Kozövisck

            23 de janeiro de 2014 em 23:12

            Hm… Um interessante ponto. Eu admito que procuro mais a lógica do que o abstrato no que vejo (desculpe, meu cérebro foi programado para a matemática e não para a psicologia). Ah, é mesmo, eu li e mal prestei atenção no seu trecho no qual você disse que a comédia era um outro texto, mas ainda sim não retiro o que disse anteriormente. Posso não ter entendido por completo o teu comentário, mas eu li com bastante atenção o texto. Eu compreendi que você quis levar o leitor a imaginar mas a forma como você transcreveu isso para o papel foi insuficiente para a minha percepção. Tu ao menos poderias ter dado algum detalhe sobre a força onipresente e dado a ela uma característica masculina para que se assemelhasse a uma mulher transeunte e observadora. Minha cara, seu texto não me convenceu. Eu não senti emoção alguma ao lê-lo. Seus personagens (principalmente Carlinhos) me pareceram frios e descaracterizados demais. E ainda acho a história sem profundidade, não me convenceu. Já faz tempo que eu li, não posso mais ter certeza do que escrevo, o meu primeiro comentário é o mais sensato. É como um extinto de leitor: a história simplesmente não me envolveu, não me atraiu.
            Mas sei que você é uma excelente escritora e amanhã começarei a ler algumas de seus textos. Acho que não sairei decepcionado. E, obviamente, eu criticarei-os.

    • Leonardo Gomes

      23 de janeiro de 2014 em 15:35

      Interessantes as suas observações…

    • Lucas Rodrigues

      22 de janeiro de 2014 em 08:42

      Qual o assunto da sua matéria?

      • Emmanov Kozövisck

        22 de janeiro de 2014 em 09:03

        Prefiro não contar. Como sou um pouco lento para averiguar os pontos teóricos e ortográficos (reviso umas 5 vezes) é preferível que eu não publique o tema para que algum safadinho ouse fazer uma matéria antes de mim. Mas, é claro, eu concordo que tudo isso é orgulho fantasioso.

    • Emmanov Kozövisck

      22 de janeiro de 2014 em 01:30

      Além dos erros de concordância, encontrei erros ortográficos e falta de pontuação.

    • Emmanov Kozövisck

      22 de janeiro de 2014 em 01:25

      Outro ponto pendente em minha crítica: o tema. Certo, todos nós sabemos que na atual época do Minilua é hardcore encontrar um conto de terror que nos assustasse (saudades do lado negro do Bob Esponja ;( ), mas eu diria que a sua história se aproxima do drama.

      Nota: não me arriscarei em dar notas.

  11. Rui Moraes

    22 de janeiro de 2014 em 00:39

    que familia desestruturada !
    porra ea Bianca

  12. Raul Seixas

    22 de janeiro de 2014 em 00:21

    pelo nome e pela hora da postagem achei que ia ser p.u.t.a.r.i.a ‘-‘

  13. Luís Felipe

    22 de janeiro de 2014 em 00:09

    Por um momento pensei em sugerir ao Jeff q fizesse uma revisão nos contos, mas percebi q, ao invés d pontos, o texto teria excesso de vírgulas.
    A história foi bem elaborada, mas tem algumas nuances, e a parte gramatical também deixou a desejar.

    • Jeff Dantas

      22 de janeiro de 2014 em 00:16

      Sim, até concordo! Mas também, não é fácil pra mim…Em média, por exemplo, são mais de 30 contos por mês. Imagina só, a quantidade de texto.. de horas revisando… 🙂

  14. Jeff Dantas

    21 de janeiro de 2014 em 23:55

    Mas gente, por favor, parem de mandar cópias.. :'( Juro a vocês, só tenho recebido cópias, para o “Monte a sua matéria”…

    • Garota Infernal

      23 de janeiro de 2014 em 22:57

      Quer saber? Acho que vou ser mais participativa neste blog. Vou preparar uma matéria sobre meu assunto favorito ^^

    • Lucas Rodrigues

      22 de janeiro de 2014 em 07:46

      Vou enviar minha matéria na sexta, eu prometo. E prepara a tela preta, porque vai precisar rsrsrs
      E é uma pena algumas pessoas fazerem isso, mas é como diz o ditado: Nada se cria, tudo se copia.
      Já tenho 3 matérias planejadas, e um 1 conto de 5 partes pronto pra ser escrito no comecinho de fevereiro.

      • Emmanov Kozövisck

        22 de janeiro de 2014 em 17:38

        Lucas, cuidado. Eu sou maldoso nas críticas. Nossa, cara, como é bom criticar alguém e não ser criticado…

        • Lucas Rodrigues

          22 de janeiro de 2014 em 18:56

          Aguarde o meu conto mais longo, melhor dizendo, aguarde o Eclipse Mortal…

          • Emmanov Kozövisck

            23 de janeiro de 2014 em 14:23

            Estou ansioso para lhe dar um 0! Brincadeira, o título me pareceu interessante, mas se for relacionado a mortes em grandes massas e/ou anjos e demônios, já perdeu um ponto. EUHEUHEUHE.

    • Shun dlç

      22 de janeiro de 2014 em 00:07

      Como assim, Jeff? esse pessoal pensa q tu é burro ou que? kkk

      • Jeff Dantas

        22 de janeiro de 2014 em 00:19

        Né? Aí, que está o problema.. Se damos espaço, o pessoal reclama, se não damos, reclamam do mesmo jeito… Sem contar as repetições… Essa semana mesmo, todos os textos eram cópias.. Ou de blogs, ou de fóruns na Internet… 🙂

        • Shun dlç

          22 de janeiro de 2014 em 00:24

          Affs, assim fica difícil… :/

  15. Jeff Dantas

    21 de janeiro de 2014 em 23:46

    • Raul Seixas

      22 de janeiro de 2014 em 00:22

      um fetiche derivado da necrofilia kkkk

  16. Jeff Dantas

    21 de janeiro de 2014 em 23:46

    Bom, no geral, eu gostei de algumas partes…Tirando, é claro, algumas repetições básicas… “Casino”, por exemplo, utilizado em demasia… 🙂

    • Litzen Vampiro

      21 de janeiro de 2014 em 23:56

      Jeff reenviei meu big hits, tinha esquecido de algumas coisas…

      • Jeff Dantas

        22 de janeiro de 2014 em 00:06

        Sim, vou dar uma olhada… ^^

        • Litzen Vampiro

          22 de janeiro de 2014 em 00:08

          Valeu, acho chato ficar pedindo, mais e uma banda que dificilmente iria aparecer…

  17. Vayne, A Caçadora Noturna

    21 de janeiro de 2014 em 23:43

    Esse conto foi muito bom

    • Lucas Rodrigues

      22 de janeiro de 2014 em 07:48

      É a primeira vez que eu vejo você elogiando um post.

      • Emmanov Kozövisck

        22 de janeiro de 2014 em 09:33

        Segunda para mim.

    • Lucas

      21 de janeiro de 2014 em 23:45

      Você elogiado um conto? lol O.o

      • Felipe Mendes

        21 de janeiro de 2014 em 23:48

        Um milagre de Natal, não pera…

  18. Shun dlç

    21 de janeiro de 2014 em 23:43

    Um conto da Cat, ficou bom… e por falar em caça níquel, eu já consegui ganhar uma vez… foram só 8 reais, mas pra alguém que ficou apertando um monte de botão sem saber o que tava fazendo, é melhor que nada ‘-‘

    • Garota Infernal

      23 de janeiro de 2014 em 21:59

      Obrigado Shun, não vá pelo mal caminho dos jogos drogas e prostitutas…

      • Emmanov Kozövisck

        23 de janeiro de 2014 em 22:09

        Por que você diz não à prostituição? Estou curioso… Por que à aversão em relação as prostitutas?

        • Garota Infernal

          23 de janeiro de 2014 em 22:45

          Elas passam AIDS… Passam sim!

          • Emmanov Kozövisck

            23 de janeiro de 2014 em 22:57

            Bah, eu queria uma conversa sobre sociologia e o porquê a sociedade não aceita e considera a prostituição uma perversão, mas uma zoeira está de bom tamanho (ou não).

            • Garota Infernal

              23 de janeiro de 2014 em 23:07

              Então ok… Mais uma discussão? Meu coração bate rápido, eu amo isso(**estralando os dedos)
              Bom, simples. As pessoas tem nojo da escoria e falta de moral, e como na sociedade judaico-cristã-ocidental sexo é algo que só deve ser feito no casamento(segundo os conceitos antigos que moldam a sociedade atual), as mulheres que faziam sexo eram excluídas da sociedade e, por vezes, assassinadas. Uma mulher que recebe dinheiro por isso é muito pior. Pior ainda é isso ser o sustento dela, e por sr o sustento, ela acaba aceitando tudo o que os clientes pedem. Nos anos 80, com a proliferação da AIDS pela America, muitas prostitutas brasileiras, que costumavam ver os “gringos” como homens limpos por serem ricos(outro clichê da sociedade, mas eu não quero discutir sobre ele agora) e brancos e , claro, pelo alto valor em dinheiro, elas “liberavam geral” e pegavam AIDS destes homens. Hoje a AIDS é encontrada facilmente nas “cenas”. Uma vez vi um documentário onde uma prostituta aidética sul-coreana dizia que passar AIDS para um cliente dava uma sensação de vingança a ela.
              Esperando atenciosamente sua resposta.

              • Emmanov Kozövisck

                23 de janeiro de 2014 em 23:32

                Certo, mas você não acha irracional a aversão à prostituição? Excluindo os casos marginalizados de prostitutas que realizam o sexo na rua sem a mínima higiene e segurança, vamos imaginar uma prostituição politicamente correta, em um local apresentável e higienizado, onde as prostitutas não são marginalizadas e sim profissionais do sexo. Por que seríamos contra isso? É uma prestação de serviço: um homem está de acordo e uma mulher está de acordo que eles terão uma relação sexual saudável e protegida, sem filhos, sem doenças e sem marginalização. Esta foi a escolha feita pelos dois, eles não afetarão ninguém diretamente. Então, por que mesmo assim a nossa sociedade faz isso? Eu suponho que esta aversão deve a dois possíveis fatores: o que você citou, onde a sociedade cristã diz que o sexo é errado e isto se arrastou durante os séculos até a nossa sociedade ter o mesmo pensamento, como se dissessem-lhe que alienígenas não existem e quando você vê um acredita que aquilo seja uma conspiração, acreditando naquilo que foi passado (foi um exemplo radical mas tem a mesma base). Ou então por uma questão evolutiva: os homens carregam milhões de espermatozoides para acasalarem com o máximo de mulheres possíveis para dar continuidade à espécie (em tempos Pré-Históricos, é claro), enquanto a mulher, após o acasalamento, ficam meses sem poderem fazer sexo e por muito tempo cuidam de seus filhos (e devo dizer que nesta época o homem não era monogâmico). Assim, este instinto se passou para a sociedade atual e isto é passível de piadas como do tipo “Homem que faz sexo com muitas mulheres é garanhão e mulheres que fazem sexo com vários homens são vadias” (HUEUHEUHEUHEUEUHEH MULHERES, NÓS SOMOS ALPHA, PODEMOS FAZER SEXO E SEREMOS GLORIFICADOS [sim, eu sei que foi uma piada de muito mal gosto, mas preciso quebrar o gelo para tirar um pouco a sua atenção do objetivo principal do texto – peço desculpas antecipadas pelo meu falso machismo]). Então, o que você acha? O sexo não é algo que vá fazer uma pessoa triste, e sim estimula-a para afastar a tristeza (embora prazer seja completamente diferente de felicidade). Eu mesmo me sinto sujo ao pensar em assuntos sexuais, mas logo depois pegunto-me “Por quê? Se dois concordam, por que é errado? Por que é sujo?”. E lá vou eu em meus devaneios psicológicos racionais para descobrir se o instinto me faz sentir sujo. Devo deixar explícito que sou jovem demais para ter relações amorosas e que esses pensamentos muitas vezes não se refletem a mim e sim no pensamento geral da sociedade sobre sexo – evito relações afetivas com mulheres por esse motivo, mas já experimentei o amor, ainda que sentido e não vivido. Já dizia o filósofo: “Alguns amores só devem ser sentidos”. Bem, ignore isto, estou mudando de sexo para amor.

                Parabéns, você me seduziu (com a sua inteligência, claro).

                • Garota Infernal

                  24 de janeiro de 2014 em 01:53

                  Bom, eu vou usar argumentos psicológicos. Nessa era, onde há uma certa igualdade no mundo o ser humano se sente livre para buscar o seu valor. Antigamente com a monarquia e a hierarquia, as pessoas não tinham liberdade para crescer, pois isso dependia da bondade e da sanidade dos reis(Não estou certa disso, talvez esteja trocando os nomes, mas o imperador Caligula matou o marido de uma mulher para se casar com ela. Disse que ele era honesto, por tanto, era um mal romano.), hoje não há monarquia e as pessoas tem o direito de fazer o que quiserem desde que isso não machuque os outros.
                  Uma pessoa considerada perfeita, uma mulher, a mulher perfeita segunda a sociedade é doce, feminina, vaidosa, trabalhadora, forte, independente, discreta, bonita, saudável, amável, que tenha bons conceitos e que seja inteligente. Hoje em dia o mundo abraçou a cultura do amor, e as pessoas quando estão envolvidas sexualmente pensam sobre isso, mesmo que por 5 segundos, mas aí é que tá, ai eu digo por que a prostituição é um caminho ruim, mas isso envolve muitos conceitos que vou falar: as pessoas procuram pela felicidade.
                  Tudo bem, você vai achar clichê, mas eu explico.
                  Quando uma pessoa se cura de uma depressão, qual a primeira coisa que ela faz? Se satisfaz.
                  O ser humano em momentos de crise procura se satisfazer, mas ai que mora o perigo, depois da satisfação vem a felicidade. O ex-depressivo vai arrumar um emprego e novos amigos, com um tempo isso será pouco e ele tomará novos rumos.
                  Agora, digamos que um homem tenha uma relação com a prostituta, uma relação profissional,ela satisfaz ele sexualmente… Mas com um tempo ele vai querer mais que satisfação, o problema vai ser se ele quiser felicidade com ela.
                  Agora vamos ir para o lado dela, entrar dentro da cabeça dela. Será que ela se sente bem/ Será que é feliz? Será que acha bom ver seu corpo sendo distribuído?
                  Nem todas. Muitas delas não estão lá por livre e espontânea vontade, muitas estão lá mas se sentem vazias…
                  A sociedade tomou como maior conceito essa busca incansável pela felicidade, e hoje, tudo o que é triste é nojento. E nos tempos onde pedofilia era normal? Por que ninguém fazia nada? Hoje todo mundo sabe que é uma monstruosidade, sabem o quanto é triste para as crianças.
                  O homem e a mulher, incompletos… Seria desolador.
                  Veja este vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=BCj39bsFDnM

                  • Emmanov Kozövisck

                    24 de janeiro de 2014 em 11:48

                    Um vídeo sentimentalista? Poupe-me deste sentimentalismo, eu não gosto de ver pessoas chorando. Entretanto, eu compreendi a finalidade disto: tu querias mostrar-me o lado negativo da prostituição, que consiste em prostituas que trabalham na área por consequências indesejáveis e que sofrem com a vida que levam… Sim, eu reconheço este lado negativo da prostituição e que não deve ser ignorado neste debate, já que principalmente nos países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento (eu adoro que tudo seja ordenado e classificado – aliás, nós humanos gostamos que tudo seja harmônico, embora quase todas as vezes o que vemos e o que sentimos são um completo caos, e talvez por isso sentimentos como o amor nos deixam completamente confusos) as trabalhadoras sexuais são marginalizadas pois a sociedade considera como algo sujo e indesejável, e assim muitas delas trabalham em condições horríveis (mesmo a prostituição sendo um ofício legal no Brasil; e eu acho que poucos sabem disso).
                    Mas eu concordo com o que foi dito por ti, já que mutias vezes após o prazer buscamos a felicidade, pois de alguma forma aqueles que têm relações sexuais eventualmente se atrelam a outra pessoa e começa a convidá-la para sair, embora o mais comum seja a ordem inversa, onde há o reconhecimento das características físicas e psicológicas. E embora eu não procure penetrar neste assunto, este levantamento foi muito relevante, já que estas consequências negativas da prostituição surgem na mente daquele que pensa nisso, o que é totalmente aceitável, pois na maioria das vezes é exatamente esta tristeza que representa o que alguém que pratica prostituição sente, como se o sexo fosse algo vazio e sem sentido (já diria meu professor: “Sexo deve ser feito com quem nós amamos, sexo sem amor não tem significado” ele disse algo do tipo). E esse pensamento popular nos leva a generalizações, que eu considero um dos piores erros que um ser humano pode cometer, porque sempre existem exceções. Existem em vários locais do mundo profissionais do sexo que trabalham como qualquer outra pessoa – e é comum não gostar de seu emprego, muito comum. E nesses casos eu me pergunto se isso é errado, já que é uma liberdade individual onde duas pessoas fazem aquilo porque querem.
                    O sexo não é errado. A Igreja defende que ele só deve ser feito em questões reprodutivas, mas por que não por razões não-reprodutivas (isto tem hífen?). E nesse caso não me refiro diretamente a prostituição, mas também em um casal que gosta de fazer sexo somente pelo prazer. Por que o prazer é “errado”? Se dois se amam e concordam com o que será feito, por que nós devemos julgá-los?

                    E apesar de defender a ideia de retirar o preconceito sobre prostituição, eu devo assumir que eu não gostaria que a minha mãe/filha fossem prostitutas. Por quê? Porque eu faço parte da sociedade que considera sexo errado, mesmo que contra meu próprio pensamento.

                    Assista a esse vídeo do Canal EuAteu. O Yuri (tem o mesmo nome que eu ironicamente) faz excelentes vídeos e foi ele que me fez pensar melhor sobre a prostituição.

                    http://www.youtube.com/watch?v=XU4zboF0VzU

                    Eu estou me questionando no momento. Procuro uma resposta. Aguardo ansiosamente a tua resposta.

                    • Garota Infernal

                      25 de janeiro de 2014 em 02:22

                      Mas o Shun mora no Brasil, e no Brasil a prostituição segura é algo para quem tem dinheiro, pessoas menos endinheiradas pegam aquelas prostitutas de 100 reais que aceitam tudo. Elas aceitam tudo por 100 reais e perdem o controle do próprio corpo, por isso prostituição é sujo o Brasil.

                    • Shun

                      25 de janeiro de 2014 em 13:16

                      Ou seja, me chamou de pobre e disse que eu só posso pagar prostitutas barangas e aidéticas aushuahsuahs vlw, Cat… valeu mesmo pelo apoio moral xD (brinks)

                    • Garota Infernal

                      25 de janeiro de 2014 em 19:30

                      Não foi isso que eu quis dizer, eu acho que você é interessante e pode arrumar uma mulher ótima.

                    • Emmanov Kozövisck

                      25 de janeiro de 2014 em 16:22

                      Melhor do que ser chamado de homossexual…

                    • Emmanov Kozövisck

                      25 de janeiro de 2014 em 04:01

                      E então por que o catolicismo considera sexo antes do casamento e sem fins reprodutivos como um pecado?

                      Ah, e eu gostaria de dizer que nós poderíamos ter mais muitos outros debates interessantes e por isso eu gostaria de deixar uma forma de contato para discussões gerais (afinal o Minilua não é um CHAT). Entretanto, eu só o postarei com a sua devida concordância.

                    • Garota Infernal

                      25 de janeiro de 2014 em 19:33

                      Por que é ligado ao adultério(para eles, mas o papa pensa em mudar este conceito e hoje o sexo é aceitado nas igrejas como algo mais natural, apesar de, ainda, dizerem que o sexo é para o casamento), nos tempos antigos as mulheres nasciam somente para ter filhos, uma casa para cuidar e um marido, então, todavia sexo antes do casamento era uma falta de respeito a seu futuro marido, além de ser um comportamento que lembra a Roma antiga,que por sua vez era a cidade mais depravada sexualmente em todo o mundo. E os comentários foram feitos para os usuários debaterem, melhor que colocar uma foto de meme no lugar de um comentário construtivo.

              • Shun

                23 de janeiro de 2014 em 23:30

                Não só a prostituição… eu li uma reportagem a pouco mais de 1 mês, que diz que a Aids voltou a ter um aumento entre os homossexuais. Não que eles sejam os culpados pelo aumento, mas o fato deles em geral não se cuidarem (isso é óbvio e todo mundo sabe o porquê), faz com que ela se espalhe ainda mais .-.

              • Emmanov Kozövisck

                23 de janeiro de 2014 em 23:16

                Minha querida Amélie Poulain, eu irei tentar responder hoje, mas não tenho certeza disso. Terei que acordar amanhã às 6:15 então dormirei em breve. Caso eu não responda hoje, amanhã você terá a minha resposta.

                • Garota Infernal

                  23 de janeiro de 2014 em 23:21

                  Tudo bem ^^

  19. jeff zika Mc

    21 de janeiro de 2014 em 23:40

    [img]http://i.imgur.com/C4JOTYD.jpg[/img]

    • Terrorista

      22 de janeiro de 2014 em 00:14

      NOVATO OU VETERANO P MIM TANTO FAZ
      PRA USA O MINILUA TEM Q SER FRACASSADO DEMAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAIS

      • Emmanov Kozövisck

        22 de janeiro de 2014 em 09:33

        Sim. A tua existência é a prova inegável disso.

        • Felino

          1 de fevereiro de 2014 em 19:37

          talves se tivesse usado palavras mais aceitaveis teria só um like que não teria sido meu 😀

          • Felino

            1 de fevereiro de 2014 em 19:37

            quis dizer “teria mais likes, não só o meu”

    • Vayne, A Caçadora Noturna

      22 de janeiro de 2014 em 00:12

      você é tão merda que sua mãe tentou te abortar tomando activia

      • jeff zika Mc

        22 de janeiro de 2014 em 00:16

        Vc é tão mer­da que não sabe inventar piada e copia e cola piadas velhas aqui

    • Shun dlç

      22 de janeiro de 2014 em 00:10

      Senta Lá, SBT… e por favor diminua os episódio de Chiquititas, pq ninguém merece…

    • Felipe Mendes

      21 de janeiro de 2014 em 23:49

      Não, obrigado…

  20. simpática

    21 de janeiro de 2014 em 23:38

    Tem muitas pessoas que não espera uma atitute assassina com quem convive diariamente.

  21. Litzen Vampiro

    21 de janeiro de 2014 em 23:36

    Bom eu esperava um de terror, mas escreve bem, mas sei la esse conto parece meio confuso…

  22. Felipe Mendes

    21 de janeiro de 2014 em 23:28

    Naquela noite fria eu olhei nos olhos dele e o beijei, não sei se era a hora certa mais ele queria tanto…

121 Comentários
Topo