Contos Minilua: Casamento fúnebre #212

Pois é, e para participar, é muito fácil. Para tal, envie o seu texto para: [email protected]! A todos, uma excelente leitura!




Casamento Fúnebre

Por: Leandro Cavalin

No que diz respeito a casamentos, com todos seus protocolos e tradições, não seria prudente se pensássemos que, por obra divina, não acontecesse nada de inusitado ou até mesmo estranho.

De todas as experiências com casamentos, em termos de bizarrice, esta que relato é de longe a mais esquisita. Recebi um convite para ser padrinho de casamento de um grande amigo, o qual não via há muito tempo. Durante o convite feito por telefone, pude notar um ar de tristeza em sua fala.

A princípio não me preocupei, aceitei o convite e o cumprimentei pelo matrimônio. Entretanto, após o término da ligação fiquei curioso.

Ele nunca foi uma pessoa muito positiva, pelo contrário, cabisbaixo e sempre com um suspiro profundo mostrava seu pessimismo. Porém, quando as pessoas se casam é de se esperar que, no mínimo, estejam felizes com esta nova fase em suas vidas… ao menos é isto que se vê em novelas, filmes e imagens de revistas…

Passado algum tempo, no dia da união, por conta de um trágico acidente na rodovia tive o azar de me atrasar para o evento. Chegando à igreja, me deparei com um ambiente pesado. Aquilo mais parecia um funeral do que um casamento.

Encaminhando-me ao altar, com um sorriso mais amarelo do que uma pagina de um livro velho, não pude deixar de notar um manequim. Sim, um manequim! Usando terno e com uma bexiga de gás hélio em sua mão, que por onde ficava flutuando, assemelhava-se a uma cabeça, já que ele não tinha uma.

Durante quase toda a cerimônia, aquela figura ficava ali parada ao lado da noiva, quase intacta, apenas com os movimentos que a brisa do ar condicionado causava no balão. Aquela imobilidade me trazia um profundo desconforto…

A coisa começou a ficar mais bizarra quando um dos padrinhos que se encaminhava onde estavam os noivos para a entrega da aliança tropeçou em alguns fios elétricos soltos pelo salão e esbarrou no manequim.

Em reação o manequim, que era tão bem articulado quanto um corpo humano, começou a balançar e esboçou movimentos de queda. Estava preso a uma estrutura de metal que o mantinha em pé. Enquanto balançava bruscamente entorno da estrutura metálica foram caindo coisas de dentro dele.

Enquanto as pessoas presenciavam aquilo, umas saíram correndo, outras tampavam os olhos e a boca, num simbólico gesto de aflição e repúdio. Algumas até vomitaram o que haviam comido. Foi quando descobri que não era um manequim.

Aquela figura macabra na verdade era o pai da noiva, o qual havia morrido alguns dias antes em um acidente de trânsito com a cabeça esmagada por um caminhão.

Disseram que seu crânio estourou com tanta pressão que o resgate teve que recolher pedaços de miolos por toda a pista… Literalmente “perdeu a cabeça com o trânsito”.

Aquelas coisas que caíam de dentro dele eram suas vísceras, provavelmente seu ventre apodreceu demais e rasgou, o que explicou a reação da plateia. Quando vivo, tinha o sonho de estar presente no casamento da filha. O ato de realizar o sonho - ou pesadelo - do velho foi levado a sério demais pela família.

Até hoje não sei o que foi mais insano naquela noite: fazer seu finado pai assistir seu casamento, mesmo com a cabeça decapitada, ou pegar os órgãos dele em estado de putrefação do chão…

Reaja! Comente!
  1. Carlos Eugenio

    12 de junho de 2015 em 10:03

    mas que casamento mais macabro hehe

  2. Wald. Angélico Lopes

    17 de setembro de 2014 em 12:40

    O que posso dizer sobre este conto? Bizarro é pouco! Eu estava esperando, sei lá, algo sobrenatural. Por um momento achei que o manequim fosse o noivo, mas à medida que fui lendo, notei que não era, pois, se fosse, o amigo convidado para o casamento para ser padrinho estaria questionando isso. Gostei muito dos detalhes descritos e do ambiente que o autor conseguiu desenvolver. Parabéns pelo conto! Me distraiu um bocado e agora estou refletindo sobre ele.

  3. Lhama Charmosa

    15 de setembro de 2014 em 16:26

    Tava lendo mó de boa…

    “Foi quando descobri que não era um manequim.
    Aquela figura macabra na verdade era o pai da noiva, o qual havia morrido alguns dias antes em um acidente de trânsito com a cabeça esmagada por um caminhão.”

    reação
    [img]http://mrwgifs.com/wp-content/uploads/2013/03/Glass-Breaking-Omg.gif[/img]

    • Adriano Saadeh

      16 de setembro de 2014 em 13:21

      xD

  4. Ruth Borges

    15 de setembro de 2014 em 10:08

    meio louco tudo isso.
    e essa família não raciocina tão bem quanto parece.

  5. André Silva

    15 de setembro de 2014 em 00:16

    Curto e direto, gostei, cumpriu seu papel de entreter!

  6. Luís Felipe

    14 de setembro de 2014 em 23:17

    Bonzin.

  7. Blue

    14 de setembro de 2014 em 23:13

    bizarro,curto,direto e simples,para um conto pequeno até que ficou bom 7/10

  8. Terrorista

    14 de setembro de 2014 em 23:02

    E uns nudes, não rola de postar?

    • Jeff Dantas

      14 de setembro de 2014 em 23:08

      • meu nome é um grande texto e não faz sentido, no qual eu falo sobre minha vida, tanto do passado como do presente e ainda falo sobre o futuro, porem não falo apenas de mim, mas de todos ao meu redor incluse sobre os meus futores amigos aqui do minilu

        14 de setembro de 2014 em 23:17

        quanto mais melhor

      • Terrorista

        14 de setembro de 2014 em 23:11

        Faz um post com umas 60 fotos dessas.

    • Terrorista

      14 de setembro de 2014 em 23:03

      Se postar nudes eu curto tudo os post.

  9. Jeff Dantas

    14 de setembro de 2014 em 22:51

    • Litzen Vampiro

      14 de setembro de 2014 em 22:55

      Eu também, e ela ainda vira uma guitarra…

      [img]http://37.media.tumblr.com/tumblr_loqc4cAvN71qzdieio1_500.jpg[/img]

  10. Litzen Vampiro

    14 de setembro de 2014 em 22:46

    Nossa foi tão curto, e essa história foi bem bizarra, o que deixou interessante foi essa bizarrice mesmo, os contos ultimamente estão bem curtos, poderia aparecer uns longos agora, gosto de contos longos…

    • Adriano Saadeh

      16 de setembro de 2014 em 13:21

      Foi bem bizarro mesmo

    • Jeff Dantas

      14 de setembro de 2014 em 22:49

      Ah sim, quem quiser, pode mandar! hehehe Longos, curtos, médios… 🙂 PS: Matérias tb! ^^

      • Litzen Vampiro

        14 de setembro de 2014 em 22:51

        e.e Bom eu até tava lendo os antigos tem uns que eu não tinha lido ainda, é meu post favorito…

        • Jeff Dantas

          14 de setembro de 2014 em 22:55

          Hhehehe não se esqueça de curtir o post! ^^

          • Litzen Vampiro

            14 de setembro de 2014 em 22:56

            Sim, e.e quanto mais contos melhor…

  11. Jeff Dantas

    14 de setembro de 2014 em 22:45

    • Litzen Vampiro

      14 de setembro de 2014 em 22:47

      Melhor ainda seria a noite…

      • Blue

        15 de setembro de 2014 em 16:27

        de noite com uma linda mulher ficaria perfeito

24 Comentários
Topo