Contos Minilua: Anotações no corredor #63

E a cada semana, você já sabe: Novos contos são postados aqui. O desta semana, por exemplo, escrito por uma das leituras mais participativas. Confira:




Anotações no corredor

Por: Fernanda Souza

12/03/2000

Meu nome é David

Minha história é pouco conhecida, mas não é única, sei que muitos já fizeram o que eu fiz, talvez depois que esta carta for divulgada todos me odeiem e deem graças ao que vai acontecer comigo, mas ainda assim quero contá-la.

Tudo começou ano passado, onde ocorreu? Não importa, mas foi na data de 10 de março de 1999 que eu a conheci… Melissa, eu a chamava de Mel, tudo nela era doce, sua beleza incomparável, seu jeito doce e espontâneo mexeu comigo, por sorte do destino ela também gostou de mim e depois de um mês nos conhecendo começamos a namorar.

Era tudo uma maravilha, ela era a mulher perfeita, não reclamava de nada, e quando não gostava de algo, dava um jeito de torná-lo agradável sem aborrecer ninguém, seu charme e beleza atraiam muitos olhares, o que sempre me deixou enciumado, mas sempre me controlei, eu confiava nela, até certo dia…

No dia 10 de setembro fazia seis meses que estávamos juntos, e resolvemos fazer uma festinha, chamamos uns amigos, que chamaram outros amigos, a festa corria bem, estávamos recepcionando os convidados, eu falava com todos, enquanto mel focou em um rapaz estranho, mas não me importei. A festa acabou, o tempo passou e eles se aproximaram, mais e mais.

25 de janeiro de 2000

Decidi pedir Mel em casamento.

(Nessa época já morávamos juntos)

Mel saiu cedo para trabalhar, sai em seguida, mas não fui ao trabalho, na verdade eu ia preparar um belo almoço, comprei um buquê de rosas e dentro de uma das rosas, coloquei a aliança.

2 Horas da tarde, ela já estava voltando do trabalho, me escondi na cozinha, quando percebi que a porta estava sendo aberta. Ouvi gemidos, vozes, sussurros (eu te amo), olharam de canto pela porta da cozinha, era Melissa, nos braços daquele tal “amigo”, ele a apalpava, como quem massageia um peru antes de por no forno, ele a beijava, tocava seus seios, enquanto ela dizia que o amava, não aguentei mais ver aquilo, não tava aguentando mais chorar ali em silêncio.

Peguei uma faca e fui enfrentá-los. Melissa, quase nua começou a gritar, e dizer que não era naquilo do que eu estava pensando, mas o que eu poderia pensar? A primeira mulher que amei de verdade nos braços de um qualquer, não pensei duas vezes e parti pra cima daquele cara,lhe dei uma facada no ombro,mas ele era forte e me bateu com força,deixei a faca cair,começou a nos bater na sala,Mel gritava para pararmos,mas eu estava cego de ódio e de dor, me abaixei, peguei a faca e a esfaqueei, três facadas no coração de Melissa, enquanto ela caia no chão,o tal amante fugia, sem nem se importar com ela.

Eu matei, matei a mulher que mais amo na vida, e hoje vou pagar por isso, mas sabe… Eu não me arrependo de tê-la matado, finalmente poderemos ficar juntos, só nós dois, sem ninguém para atrapalhar.

Meu último pedido antes de morrer, é que esta história seja divulgada, para mostrar a todos que o amor é capaz de tudo…

TUDO MESMO

GOSTOU DO NOSSO CONTEÚDO?

Receba as atualizações por e-mail!

É gratuito e sem SPAM
Reaja! Comente!
Topo