O assustador ventríloquo que utilizava o corpo de uma criança como boneco

Ventriloquismo é a arte praticada pela pessoa chamada ventríloquo, que é aquele que pode mudar sua voz verdadeira, ou o seu timbre, de modo que a faça parecer vir de outro local ou objeto. O termo vem do latim, “ventrilocuus”, “aquele que fala com a barriga”, pois acreditava-se que essa capacidade era o resultado do som feito pelo seu estômago.

Um bom ventríloquo sabe exatamente como criar essa ilusão para o público. Outro fator importante são os movimentos do boneco: ele deve parecer estar articulando as palavras, seu olhar deve mudar entre platéia e ventríloquo conforme for necessário em sua apresentação. Claro, ninguém pensa que é o boneco que está falando, mesmo assim as pessoas ficam simplesmente maravilhadas com esses “truques”.

Embora a ideia seja parecer que o boneco é de verdade, este caso específico levou este conceito longe demais e acabou aterrorizando milhares de pessoas pelo mundo.

Na década de 1920, o ventriloquismo tornou-se um show muito importante, que enchia os salões dos principais teatros dos Estados Unidos. Entre todos os ventríloquos daquela época, havia um em particular que, apesar de dizer que o seu show não era o melhor, conseguiu se tornar famoso em pouco tempo.

Seu nome era McCarthy, um ventríloquo cujo ato era bastante simples, mas conseguia surpreender a todos que o viam. Ele utilizava um único boneco em todo seu ato: Edgar, um boneco que descreve um menino gordinho entre 9 e 10 anos de idade, mas com características muito estranhas que prendiam a atenção do público.

Suas mãos eram muito reais, ele tinha uma boca muito expressiva e era muito diferente de um boneco de ventríloquo comum. Edgar era mais alto, e seus olhos, embora fossem de uma boneca de madeira, refletiam um vazio estranho e até mesmo assustador.

McCarthy nunca deixou ninguém chegar perto de Edgar. Muitos acreditavam que a boneca falava sem mover os lábios por causa de feitiçaria e sua fama era por conta de uma possível influência demoníaca. A situação chegou a tal ponto que muitos pais proibiram seus filhos de frequentarem seus shows.

Uma noite, em uma turnê por Nova York, alguém bateu na porta do quarto de McCarthy, no entanto ninguém respondeu. Preocupados com a situação, a polícia foi chamada para verificar o lugar. Ao entrarem no local, foi encontrado o ventríloquo morto por diversas facadas, com o pescoço quebrado e com os olhos arrancados, ao seu lado havia um bau fechado.

No seu interior eles encontraram o boneco Edgar, o que provocou calafrios estranhos nos policiais. Ao examinarem o boneco de perto, eles perceberam que não se tratava de um boneco e sim de um menino de verdade. Ou pelo menos seu corpo, com uma máscara de látex horrível, cobrindo seu pequeno e pálido rosto.

Nunca se soube quem matou McCarthy, ou qual era a identidade verdadeira da criança, nem como ele manteve um corpo em perfeito estado durante vários meses.

Seja qual for a verdadeira identidade da criança, devemos reconhecer que este é um caso verdadeiramente assustador e doentio.

Reaja! Comente!
  1. Murilo Dias Pires

    28 de agosto de 2016 em 20:53

    Vim comentar que a história era bullshit mas já tinham feito hehe.

  2. Alexis Zaint

    20 de julho de 2016 em 23:52

    Danilo,a definição de “filho da puta”.

    • Danilo Ferreira Matos

      21 de julho de 2016 em 09:56

      Hauehauehauehjehehd

  3. Marcelo Vinícius

    15 de julho de 2016 em 11:24

    É falso. É uma história inventada por Syd Rodriguez de Guadalajara México. O link da história: http://ssydd.blogspot.co.ke/…/la-leyenda-del…

    O Syd utilizou a foto de um ventríliquo europeu, Fedor Wittkowski, mais conhecido pelo seu nome artístico Henry Rox, e o boneco se chamava Max. Ele também usou o nome de um ventríloquo americano, Edgar Bergen (Edgar John Bergen: https://en.wikipedia.org/wiki/Edgar_Bergen), e seu boneco, Charlie McCarthy (https://www.youtube.com/watch?v=LI4HV4HUHb4), muito famoso em sua época.

    A ideia era criar uma história fictícia, mas as pessoas começaram a copiar e retransmitir a história. Todos sabem que quem conta um conto aumenta um ponto. Inclusive o este artigo foi copiado daqui:http://www.oversodoinverso.com.br/conheca-a-historia-de-um-assustador-ventriloquo-que-usava-uma-crianca-morta-como-boneco/. E meu comentário, também copiei de um cara que comentou lá. Viu? Todo mundo copia.

    • Suel Viana

      15 de julho de 2016 em 18:12

      É falso. É uma história inventada por Syd Rodriguez de Guadalajara México. O link da história: oversodoinverso.com.br/conhec…

      O Syd utilizou a foto de um ventríliquo europeu, Fedor Wittkowski, mais conhecido pelo seu nome artístico Henry Rox, e o boneco se chamava Max. Ele também usou o nome de um ventríloquo americano, Edgar Bergen (Edgar John Bergen: youtube.com/watch?v=LI4HV4HUHb4), e seu boneco, Charlie McCarthy ( en.wikipedia.org/wiki/Edgar_B…), muito famoso em sua época.

      A ideia era criar uma história fictícia, mas as pessoas começaram a copiar e retransmitir a história. Todos sabem que quem conta um conto aumenta um ponto. Inclusive o este artigo foi copiado daqui: ssydd.blogspot.co.ke/& E meu comentário, também copiei de um cara que comentou lá. Viu? Todo mundo copia.

  4. KonaKona

    13 de julho de 2016 em 18:00

    pq esses closes véi .-.

  5. Wesley Garcia

    13 de julho de 2016 em 05:11

    Esse boneco parece o César Filho do “Hoje em dia”.

    • Ione Vitória

      13 de julho de 2016 em 13:52

      vdd

7 Comentários
Topo